figurinhas juntas.png
Beth Formaggini .jpg


Trabalhos como diretora:
Uma família Ilustre (2015);
Xingu, Cariri, Caruaru, Carioca (2015) Angeli 24h (2010), que ganhou 16 prêmios em festivais tais como: Melhor direção curta e montagem no RECINE RJ 11, Melhor direção no Vitória Cinevideo 11, Melhor direção, montagem e trilha sonora no CINEMATO Cuiabá, Prêmio Porta Curtas de Aquisição na Goiânia Mostra Curtas 11, Melhor direção no CURTASE Aracaju 2011, Melhor documentário na Jornada da Bahia 2011, Prêmio Melhor DOC Brasil e Melhor filme RJ no Festival do Júri Popular 2011, Seleção: Festival de Brasília do Cinema Brasileiro 2010, DOKANEMA 2011 Moçambique, Panorama Carioca Curta Cinema 11;
Cidades Invisíveis (2009);
Coutinho.doc – Apto 608 (2009);
Memória para uso diário (2007), melhor filme eleito pelo Júri Popular do Festival do Rio BR 2007 e prêmio ABDeC no mesmo festival;
Nobreza Popular (2003), menção honrosa Forumdoc.bh 2004;
Vida de Criança (1998);
Pontos de Vista (1995);
Co-direção em Touche pas à mon pote (1987); Walter.doc - O Tempo é sempre Presente (2000) e Nós somos um poema (2008), melhor Doc Guarnicê 2009 (MA).

Alguns projetos realizados como produtora:
Longas-metragens:
Etnografia da amizade (2007);
Paixão e Virtude (2014) e Djalioh (2012), de Ricardo Miranda;
Paralelo 10 (2012), de Silvio Da-Rin;
Novela na Santa Casa (2006), de Cathie Levy;
Bendito Fruto (2004), de Sérgio Goldemberg;
Em Transito, de Henri Gervaiseau

Médias-metragens:
Terra Prometida, de Henri Gervaiseau;
Joaquim.doc (2003), de Mário Carneiro;
Garrincha Ucellino di Dio (2001), de Paulo César Sarraceni, entre outros.

Diretora de produção em:
Outro Sertão (2013), de Adriana Jacobson e Soraia Vilela;
Peões (2003), Edifício Master (2001) e Babilônia 2000 (2000), de Eduardo Coutinho.

Também atuou como pesquisadora:
Séries: A Linguagem do Cinema (1999), de Geraldo Sarno; Chatô, Rei do Brasil (1996), de Walter Lima Jr.
Filmes: Cartola, de Lírio Ferreira e Hilton Lacerda; Gonzaga de Pai pra Filho, de Breno Silveira; e O Mistério do Samba, de Lula Buarque e Carolina Jabor.
 

Angeli 24 horas
Documentário
25'
2010
Brasil
Rio de Janeiro

Direção e Produção Executiva: BETH FORMAGGINI.
Montagem: JOANA COLLIER e THAIS BLANK.
Fotografia e Câmera: CLEISSON VIDAL.
Edição De Som: CARLOS COX.
Técnico De Som: JOÃO GODOY.
Trilha Sonora Original: JR TOSTOI.
Roteiro: BETH FORMAGGINI e JOANA COLLIER.
Direção de Arte: ROBERTO EITI.
Direção de Produção: CLARISSE VIANNA.
Design de Finalização: POJUCAN.
Assistente De Direção: LUCAS FORMAGGINI.
Câmera (Estúdio): TIAGO SCORZA.
Still: MARIANA LEME.
Produção São Paulo: SABRINA FRANZOI.
Pós Produção De Imagem: ESTUDIOS MEGA.
Produtor De Finalização: JOSÉ HENRIQUE CUNHA.
Versão em Inglês: LUCAS PETERSON.

Sinopse: Documentário sobre o cartunista Angeli e as transformações em sua obra. O filme é centrado na sua obsessão pelo trabalho e na crise entre ser um artista da cultura pop, produzindo diariamente novas charges e tirinhas para várias mídias, e ao mesmo tempo exigindo de si mesmo radicalidade e capacidade de se renovar, sempre botando o dedo na ferida.