figurinhas juntas.png
Vandreza Amarante .jpg

"orérembiú eteí" em Mbyá-Guarani "nossa própria comida"
Variedades
30'
2016
Brasil
Santa Catarina


Diretora, produtora, pesquisadora e cinegrafista: Vandreza Amante Gabriel
Editor: Marcelo Backes Navarro Stotz
Cacique Artur Benite (werá mirim) e sua esposa Maria Campo (pará retê)/ Representantes da aldeia vy’a.
Cláudia Benite (pará mirim), Augustinho Moreira (werá tukumbó) e Lucimana (pará poty).
Marilda Checcucci - Orientação de Pesquisa/ PPGDR-FURB
Líder do Grupo de Pesquisa Patrimônio Cultural, Memória, Identidade e Desenvolvimento Regional/ CNPQ
Projeto realizado com o apoio do Estado de Santa Catarina, Secretaria de Estado de Turismo, Cultura e Esporte, Fundação Catarinense de Cultura, FUNCULTURAL e Edital Elisabete Anderle/ 2014.

Prêmio Catarinense de Arte e Cultura Negra e Indígena

Sinopse: O vínculo do grupo Mbyá-Guarani com a alimentação está diretamente relacionado ao território, à cosmologia, aos rituais e às práticas relacionadas à saúde. A continuidade da agricultura Guarani é de essencial importância para a permanência da agrobiodiversidade e da segurança alimentar do grupo. Tradicionalmente eles se alimentavam de animais que habitam a mata atlântica como peixes, porcos do mato, pacas, aves, como o urú, frutas como abacaxi, melancia e jabuticaba, tubérculos locais, mandioca, taiá, cará, mangarito, batata-doce, diversidade de mel e uma grande variedade de espécies de milho. Atualmente recorrem à compra de alimentos e eventuais doações, em consequência da falta de terras e dos poucos recursos encontrados no ambiente onde foram alojados por conta do contato com o branco. Isto está introduzindo mudanças significativas nos hábitos alimentares como o consumo de sal, açúcares e gorduras industrializadas, o que vem promovendo doenças. O grupo Mbyá-Guarani habita desde tempos imemoriais as terras que se estendem entre o Uruguai, Argentina, Paraguai, Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Paraná, Mato Grosso do Sul, São Paulo, Rio de Janeiro e Espírito Santo. O grupo retratado reside na aldeia vy’a, situada na localidade de Águas Claras em Major Gercino, região Noroeste da Grande Florianópolis, estado de Santa Catarina.